Revista Online Conexao Afro

Archive for Janeiro, 2011|Monthly archive page

Tudo pronto para Louvar Iemanjá – Só esperar Pai Cleon de Oxalá

In Comunidade Tradicional de Terreiros on Janeiro 31, 2011 at 8:05 pm

N°1 – 31 de Janeiro ano 2011 -Guaíba- RS -Brasil
REVISTA CONEXÃO AFRO

 

100_0517Na praia de Tramandai, ocorrem muitas homenagens a Mãe Iemanjá, mas este espaço está organizado pelo Reino de Oxalá, que é dirigido por Pai Cleon de Oxalá,  ele realiza a festa a 46 anos .Agora sim, é só aguardar Pai Cleon de Oxalá

Anúncios

Devotos se movimentam em torno da Imagem em Tramandai, e aguardam Pai Cleon de Oxala

In Uncategorized on Janeiro 30, 2011 at 3:02 pm

N°1 -30 de janeiro ano 2011 -Guaíba- RS -Brasil
REVISTA CONEXÃO AFRO

 

100_0503Tudo pronto para saudar a rainha do mar. Foto: conexão Afro.

Amanhã é dia de saudar Iemanjá. O trecho da praia de tramandai , onde fica a imagem de Iemanjá, cuja as homenangens se  organizam  no entorno, local  vai ser tomada pelos devotos do orixá rainha das águas salgadas. Embora existam muitas homenagens o ponto mais esperado pelos fiés é a festa que é comandada por Pai Cleon de Oxalá, no litoral gaúcho há 46, anos.

Campanha Rompendo a Intolerância Religiosa Marca Dia Mundial das Religiões

In Comunidade Tradicional de Terreiros on Janeiro 22, 2011 at 12:12 am

N°1-22 de  janeiro ano 2011 -Guaíba- RS –Brasil
REVISTA CONEXÃO AFRO

 

Assobecaty- Associação Beneficente Cultural Africana Templo de Yemanjá – em parceria com o Programa Nacional Cantando as Diferenças e o Programa Gestando o Diálogo Inter-Religioso e o Ecumenismo – Gdirec lançaram  dia 21 de janeiro, 2011,  lançam a campanha “Rompendo com a Intolerância Religiosa”.

A campanha faz uma alerta à sociedade. Pensar a intolerância religiosa,  seus impactos, na contemporanidade não tem o mesmo sentido que pensar nas diversas formas do processo dos conflitos que foram historicamente construídos. Existe a necessidade de uma mobilização social que assegure o respeito  as diferenças culturais, sociais e individuais. Baseada na idéia de ação em rede, a campanha convida pessoas, organizações e governos a dar continuidade a  reflexão que ocorreu no dia 21 de janeiro 2011,  sobre o assunto em questão  no Brasil.

Maiores informações entrar em contato com assobecaty@hotmail.com

CONSOCIAL TUDO A VER

In Conexão Afro on Janeiro 18, 2011 at 11:38 am

N°1-18 de janeiro  ano 2011 -Guaíba- RS –Brasil
REVISTA CONEXÃO AFRO

 

Veja DO neste link http://www.in.gov.br/visualiza/index.jsp?data=09%2F12%2F2010&jornal=1&pagina=13&totalArquivos=116
DECRETO DE 8 DE DEZEMBRO DE 2010
Convoca a 1a Conferência Nacional sobre
Transparência e Participação Social – Consocial,
e dá outras providências.
O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição
que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea “a”, da Constituição,
D E C R E T A :
Art. 1o Fica convocada a 1a Conferência Nacional sobre
Transparência e Participação Social – Consocial, a ser realizada no
período de 13 a 15 de outubro de 2011, na cidade de Brasília, Distrito
Federal, com o tema: “A sociedade no acompanhamento da gestão
pública”.
Parágrafo único. A 1a Consocial terá como objetivos:
I – debater e propor ações de promoção da participação da
sociedade civil na gestão pública e de fortalecimento da interação
entre sociedade e governo;
II – promover, incentivar e divulgar o debate e o desenvolvimento
de novas idéias e conceitos sobre a participação social no
acompanhamento da gestão pública;
III – estimular os órgãos públicos a implementar mecanismos
de transparência e acesso da sociedade à informação pública;
IV – debater e propor mecanismos de sensibilização e mobilização
da sociedade em prol da participação e acompanhamento da
gestão pública;
V – discutir e propor ações de capacitação e qualificação da
sociedade para o acompanhamento da gestão pública, que utilizem
inclusive ferramentas e tecnologias de informação; e
VI – desenvolver e fortalecer redes de interação dos diversos
atores da sociedade para o acompanhamento da gestão pública.
Art. 2o A realização da 1a Consocial será precedida de conferências
municipais, regionais, estaduais e distrital.
Art. 3o A 1a Consocial será presidida pelo Ministro de Estado
Chefe da Controladoria-Geral da União ou, em sua ausência, por seu
Secretário-Executivo.
Art. 4o A coordenação da 1a Consocial será de responsabilidade
do Ministro de Estado Chefe da Controladoria-Geral da
União, com a colaboração direta dos Ministros de Estado Chefes da
Secretaria-Geral e da Secretaria de Comunicação Social da Presidência
da República.
Art 5o O regimento interno da 1a Consocial será elaborado
por comissão a ser constituída pelo Ministro de Estado Chefe da
Controladoria-Geral da União, e disporá sobre:
I – a organização e o funcionamento da 1a Consocial e das
conferências municipais, regionais, estaduais e distrital, que a precederão;
e
II – o processo democrático de escolha de seus delegados,
representantes da sociedade civil e do poder público.
Parágrafo único. O regimento interno a que se refere o caput
será aprovado pelo Ministro de Estado Chefe da Controladoria-Geral
da União.
Art. 6o As despesas com a organização e realização da 1a
Consocial correrão por conta dos recursos orçamentários anualmente
consignados à Controladoria-Geral da União.
Art. 7o Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação.
Brasília, 8 de dezembro de 2010; 189o da Independência e
122o da República.
LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA
Luiz Soares Dulci
Jorge Hage Sobrinho

ASSOBECATY CELEBRA O DIA MUNDIAL DAS RELIGIÕES E LANÇA CAMPANHA “ ROMPENDO COM A INTOLERÂNCIA RELIGIOSA”

In Comunidade Tradicional de Terreiros on Janeiro 17, 2011 at 9:06 pm

O Brasil vai   ter na próxima sexta – feira atividades em alusão ao  Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa. Às 14  horas, acontece a Iª Reflexão ao Dia Mundial dia mundial ds religioesdas Religiões , em São Leopoldo . O ato está sendo organizado pelo Terreiro ASSOBECATY, PROGRAMA NACIONAL CANTANDO AS DIFERENÇAS e DGIREG.

A data faz uma homenagem à memória da ialorixá Mãe Gilda, que dirigia o Abassá de Ogum. Sua  saúde foi agravada a partir de agressões promovidas por evangélicos, com invasões ao seu terreiro. Também  uma fotografia sua foi publicada numa matéria do jornal Folha Universal, pertencente à Igreja Universal do Reino de Deus (Iurd), onde sacerdotes das religões de matriz africana eram chamado  de “charlatães”.

No dia 21 de janeiro de 2000, Mãe Gilda morreu por conta de um infarto. Os familiares da religiosa , liderados pela atual ialorixá  e filha biológica, após uma longa batalha judicial, conseguiram reparação por danos morais. A vitória é considerada um marco da luta contra a intolerância religiosa no Brasil.

Em 2004,  por meio de um projeto de Lei da vereadora Olívia Santana foi instituído o Dia Municipal de Combate à Intolerância Religiosa. A Lei Municipal  serviu de inspiração para que o deputado Daniel Almeida apresentasse um PL na Câmara Federal que instituiu o Dia Nacional de Combate a Intoleância Religiosa.

Dia 21 de janeiro  o terreiro tradicional Assobecaty- Associaçõ Benficente Cultural Africana Templo de Yemanjá,    estará lançando a campanha  “ Rompendo com a Intolerância. O filme de 15 segundos e as vinhetas estarão sendo disparados em  sites de busca , Twiter, Faceboock, Flickr, siwaju—boletim-informativo,  Redes Sociais como o  Correio Nagô , Rede Afrobrasileira Socio Cultural e os 37 blogs  que são mantidos pela associação.

YouTube – Ana de Ogum

In Uncategorized on Janeiro 14, 2011 at 6:43 am

N°1-14 de janeiro ano 2011 -Guaíba- RS –Brasil
REVISTA CONEXÃO AFRO

YouTube – Ana de Ogum.

http://www.youtube.com/v/rfr5ejbyxK8&feature=BF&playnext=1&list=QL&index=1

POSIÇÃO HISTÓRICA DA PRESIDENTA DILMA

In Comunidade Tradicional de Terreiros on Janeiro 12, 2011 at 5:56 pm

N°1-12 de  Janeiro ano 2011 -Guaíba- RS –Brasil
REVISTA CONEXÃO AFRO

Dilma tira crucifixo do gabinete. Falta o resto do país – por Leonardo Sakamoto

A Folha de S. Paulo, deste domingo, traz a informação de que a presidenta Dilma Rousseff, em sua primeira semana de trabalho, retirou o crucifixo da parede de seu gabinete e a bíblia de sua mesa. Foi uma medida simples, mas carregada de um simbolismo que surpreende.

Defendo fortemente que o exemplo seja seguido por todos os que ocupam cargos públicos no país. Dilma afirmou ser católica durante as eleições (ok, como disse na época, eu ainda aposto que ela e José Serra são, no limite, agnósticos – mas vá lá), mas não foi eleita para representar apenas cristãos e sim cidadãos de todas as crenças – inclusive os que acreditam em nada.

A questão da retirada de crucifixos, imagens e afins de repartições públicas gerou polêmicas ao longo da história a partir do momento em que um Estado se afirma laico (e não desde o lançamento do 3º Programa Nacional de Direitos Humanos, como querem fazer crer o pessoal do “não li, mas não gostei”). A França retirou os símbolos religiosos de sedes de governos, tribunais e escolas públicas no final do século 19. Nossa primeira Constituição republicana já contemplava a separação entre Estado e Igreja, mas estamos 120 anos atrasados em cumprir a promessas dos legisladores de então.

Em janeiro do ano passado, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil lançou uma nota em que rejeitou “a criação de ‘mecanismos para impeder a ostentação de símbolos religiosos em estabelecimentos públicos da União’, pois considera que tal medida intolerante pretende ignorar nossas raízes históricas”.

Adoro quando alguém apela para as “raízes históricas” para discutir algo. Na época, lembrei que a escravidão está em nossas raízes históricas. A sociedade patriarcal está em nossas raízes históricas. A desigualdade social estrutural está em nossas raízes históricas. A exploração irracional dos recursos naturais está em nossas raízes históricas. A submissão da mulher como reprodutora e objeto sexual está em nossas raízes históricas. As decisões de Estado serem tomadas por meia dúzia de iluminados ignorando a participação popular estão em nossas raízes históricas. Lavar a honra com sangue está em nossas raízes históricas. Caçar índios no mato está em nossas raízes históricas. E isso para falar apenas de Brasil. Até porque queimar pessoas por intolerância de pensamento está nas raízes históricas de muita gente.

Quando o ser humano consegue caminhar a ponto de ver no horizonte a possibilidade de se livrar das amarras de suas “raízes históricas”, obtendo a liberdade para acreditar ou não, fazer ou não fazer, ser o que quiser ser, instituições importantes trazem justificativas fracas como essa, que fariam São Tomás de Aquino corar de vergonha intelectual. Por outro lado, o pessoal ultraconservador tem delírios de alegria.

A ação da presidenta não foi a única. Em 2009, o Ministério Público do Piauí solicitou a retirada de símbolos religiosos dos prédios públicos, atendendo a uma representação feita por entidades da sociedade civil e o presidente do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro mandou recolher os crucifixos que adornavam o prédio e converteu a capela católica em local de culto ecumênico. Algumas dessas ações têm vida curta, mas o que importa é que percebe-se um processo em defesa de um Estado que proteja e acolha todas as religiões, mas não seja atrelado a nenhuma delas.

É necessário que se retirem adornos e referência religiosas de edifícios públicos, como o Supremo Tribunal Federal e o Congresso Nacional. Não é porque o país tem uma maioria de católicos que espíritas, judeus, muçulmanos, enfim, minorias, precisem aceitar um símbolo cristão em um espaço do Estado. Além disso, as denominações cristãs são parte interessada em várias polêmicas judiciais – de pesquisas com célula-tronco ao direito ao aborto. Se esses elementos estão escancaradamente presentes nos locais onde são tomadas as decisões sem que ninguém se mexa para retirá-las, como garantir que as decisões serão isentas?

Como já disse aqui antes, o Estado deve garantir que todas as religiões tenham liberdade para exercer seus cultos, tenham seus templos, igrejas e terreiros e ostentem seus símbolos (tem uma turma dodói da cabeça que diz que isso significaria a retirada do Cristo Redentor do morro do Corcovado – afe… por Nossa Senhora!). Mas não pode se envolver, positiva ou negativamente, em nenhuma delas. Estado é Estado. Religião é religião.

Como é difícil uma democracia respeitar suas minorias.

Leonardo Sakamoto é jornalista e doutor em Ciência Política.

Fonte: Blog do Sakamoto

O INICIO 2011 COMEÇA COM OFICINA DE INCLUSÂO DIGITAL- NO TERREIRO DE MÂE CARMEN DE OXALÁ

In Conexão Afro, Polítca on Janeiro 2, 2011 at 12:20 am

N°o1- 02 de Janeiro ano 2011 -Guaíba- RS –Brasil
REVISTA CONEXÃO AFRO

100_0306Além das  festividades  na noite de ano novo, o dia dois ocorreu na  ASSOBECATY- Associação Beneficente Cultural Africana Templo de Yemanjá,  uma oficina de inclusão digital  para alguns filhos de Mãe Carmen de Oxalá

caracolesPara falar com Mãe Carmen de Oxalá

Contato: maecarmendeoxala@hotmail.com

Assobecaty:  (51) 30556655- 84945770

Reino de Oxala em Tramandai Saúda Iemanjá- 2011

In Comunidade Tradicional de Terreiros on Janeiro 1, 2011 at 3:20 pm

100_0517Tudo pronto

Na praia de Tramandai, ocorrem muitas homenagens a Mãe Iemanjá, mas este espaço está organizado pelo Reino de Oxalá, que é dirigido por Pai Cleon de Oxalá,  ele realiza a festa a 46 anos .Agora sim, é só aguardar Pai Cleon de Oxalá

Dilma prestigia movimento negro…

In Conexão Afro, Polítca on Janeiro 1, 2011 at 11:46 am

N°1- 10 de Janeiro  ano 2011 -Guaíba- RS –Brasil
REVISTA CONEXÃO AFRO

 

Wilson Dias/06.01.2011/Agência Brasil Presidente dividiu ministérios em quatro grupos temáticos de discussã

Roldão Arruda, de O Estado de S. Paulo

Depois de anunciar o aumento no valor do Bolsa Família e de receber sindicalistas em Brasília, a presidente Dilma Rousseff prepara-se para prestigiar organizações do movimento negro. Ela deve participar no dia 21 da entrega dos prêmios do Selo de Educação para a Igualdade Racial. Serão premiadas as 100 melhores experiências de escolas de ensino básico e secretarias municipais e estaduais de educação na área de combate ao preconceito étnico-racial. Na mesma ocasião, a presidente deve lançar oficialmente no País o Ano Internacional para Afrodescendentes, instituído no ano passado pela ONU.

A presença de Dilma está sendo anunciada pela Secretaria de Política de Promoção da Igualdade Racial (Seppir), que organiza o evento. A escolha do dia 21 de março se deve ao fato de a data marcar, no calendário da ONU, o Dia Internacional para a Eliminação da Desigualdade Racial. Também se comemora nesse dia a criação da Seppir, que está completando oito anos.

A titular da secretaria, a ministra Luiza Barros, ainda deve aproveitar a data para anunciar suas principais metas de trabalho para este ano. Antes de chegar ao cargo atual, Luiza foi militante do Movimento Negro Unificado e chefiou, entre 2008 e 2010, no governo de Jacques Wagner (PT), a Secretaria de Promoção da Igualdade do Estado da Bahia.