Revista Online Conexao Afro

Archive for Abril, 2014|Monthly archive page

Quinta-caminhada de São Jorge – Berlim

In Comunidade Tradicional de Terreiros on Abril 28, 2014 at 8:20 am
logo Revista Conexão Afro  28  de abril –Guaíba- RS –Brasil
REVISTA CONEXÃO AFRO

Foto da capa

Dia 23 de Abril dia de São Jorge Guerreiro . O guardião do Povo . É com ele que o povo realimenta se de energias , para continuar a luta cotidiana. A corrida incessante por uma melhor qualidade de vida . Onde as diferenças sejam respeitadas .

Foto de Ras Adauto.

São Jorge guerreiro vencedor de demandas, oremos contigo , mais uma vez .Que a cor da pele ,não seja motivos de desavenças. Nacionalidades,não contemplem hierarquias e nem morais fixas definam amores e formas de estar no mundo.

Foto de Ras Adauto.
São Jorge Guerreiro , guardai nossas almas e corações .Dai-nos forcas para a construção da vida na diversidade !!!!!! Venham todos !!!!!! Por favor ,se possível for ,uma das indumentárias vermelha ou branca, uma flor para ofertar à Jorge .

Foto de Ras Adauto.

Este ano São Jorge sairá de X-berg ,da Zossenerstrasse 36 – A companheira Lecylana Sommer fará a entrega de São Jorge à Neusa Paixão que receberá o guerreiro na Schönhauser Allee 33.Foto de Ras Adauto.

Foto de Ras Adauto.

Dia 23 de abril 2014, Berlin.

O Santo Guerreiro é carregado de Kreuzberg até Prenzlauerberg, sua próxima morada durante um ano até o próximo 23 de abril, casa de Neusa Paixao. Lá chegado, foi entronado num gongá no meio do DandaraHof e saudado e comemorado. Saravá, Santo Guerreiro! E quem me dera Ogún para ser meu guia…

fotos: Ras Adauto/Odara Berlin.

(Obs: utilzando as fotos, gentileza citar os créditos. Danke!)

logo Revista Conexão Afro

CONEXÃO AFROconexaoafro@gmail.com
Falar com Mãe
Carmen de Oxalá CONEXÃO AFRO
  (51) 81810404 / (51)  30556655

Editar esta entrada.

Anúncios

Um Culto a Natureza de Mãe Marcia D. Pereira D’Oxum e Exposição de Esculturas:

In Comunidade Tradicional de Terreiros on Abril 27, 2014 at 8:45 am
logo Revista Conexão Afro  27  de abril –Guaíba- RS –Brasil
REVISTA CONEXÃO AFRO

A Prefeitura de São Gonçalo e o Secretário de Turismo e Cultura e Presidente da Fundação Casa das Artes Villa Real – Galeria de Artes convidam para Exposição de Fotos: Candomblé Religião de Resistência e Divulgação do Livro: Candomblé – Um Culto a Natureza de Mãe Marcia D. Pereira D’Oxum e Exposição de Esculturas: Enquanto houver Natureza, haverá Orixá de Bianca Amorim, na sexta feira, dia 9 de maio às 19h; na Casa das Artes Villa Real – Galeria de Artes – Rua Cel. Moreira Césár, SN – Zé Garoto – São Gonçalo.

A Prefeitura de São Gonçalo e o Secretário de Turismo e Cultura e Presidente da Fundação Casa das Artes Villa Real - Galeria de Artes convidam para Exposição de Fotos: Candomblé Religião de Resistência e Divulgação do Livro: Candomblé - Um Culto a Natureza de Mãe Marcia D. Pereira D'Oxum e Exposição de Esculturas: Enquanto houver Natureza, haverá Orixá de Bianca Amorim, na sexta feira, dia 9 de maio às 19h; na Casa das Artes Villa Real - Galeria de Artes - Rua Cel. Moreira Césár, SN - Zé Garoto - São Gonçalo.

logo Revista Conexão Afro

CONEXÃO AFROconexaoafro@gmail.com
Falar com Mãe
Carmen de OxaláCONEXÃO AFRO
  (51) 81810404 / (51)  30556655

Pai Roni de Ogum realiza, mais uma linda Procissão de Ogum

In Matriz Africana e Meio Ambiente on Abril 24, 2014 at 3:01 pm
logo Revista Conexão Afro24 de abril –Guaíba- RS –Brasil
REVISTA CONEXÃO AFRO

Linda Procissão de Ogum no Ilê de Pai Roni de Ogum, lamentável ter descarregado a bateria da minha máquina fotográfica, mais lamentável foi as pessoas ficarem de postar, enviar e divulgar a festa e não fazem.
O mais importante é o exemplo de superação, determinação e fé, que Pai Roni nos ensina! Ogunhè.

Foto: Miriam.1970_001.jpg

Procissão do Pai Roni 2014

Roni

CONEXÃO AFROconexaoafro@gmail.com

Falar com Mãe
Carmen de OxaláCONEXÃO AFRO
  (51) 81810404 / (51)  305566

Boas novas, definida data de celebração oficial do aniversário da ASSOBECATY

In Assobecaty 80 anos de resistência e 26 de identidade Jurídica on Abril 17, 2014 at 12:52 am
logo Revista Conexão Afro  17  de abril –Guaíba- RS –Brasil
REVISTA CONEXÃO AFRO

Boas novas, a diretoria da ASSOBECATY , definiu que o dia 31 de maio, será o dia de celebrar a passagem de aniversário 80 anos de resistência e 26 de identidade jurídica. Agende está data !

Foto: Boas novas, a diretoria da ASSOBECATY , definiu que o dia 31 de maio, será o dia de  celebrar a passagem de aniversário 80 anos de resistência e 26 de identidade juridica. Agende está data !

logo Revista Conexão Afro

CONEXÃO AFROconexaoafro@gmail.com
Falar com Mãe
Carmen de OxaláCONEXÃO AFRO
  (51) 81810404 / (51)  30556655

UM EXEMPLO: Iyalorisá, mulher negra defende Dissertação de Mestrado aos 72 anos de idade

In Comunidade Tradicional de Terreiros on Abril 14, 2014 at 5:25 pm
logo Revista Conexão Afro  14 abril de março –Guaíba- RS –Brasil
REVISTA CONEXÃO AFRO

UM EXEMPLO:
Iyalorisá, mulher negra defende Dissertação de Mestrado aos 72 anos de idade.
A Iyalorisá Iyagunã Dalzira Maria Aparecida se alfabetizou com 13 anos. Em função da falta de oportunidades educacionais e por questões de trabalho conseguiu concluir o Ensino Fundamental somente aos 33 anos (1974).
Em 1990, aos 49 anos voltou a estudar, cursou Educação de Jovens e Adultos (EJA) e concluiu o Ensino Médio. Em 2003, aos 63 anos, foi aprovada no Curso de Relações Internacionais e concluiu a graduação aos 68 anos tendo pesquisado a influência africana em Cuba, Brasil e Argentina. Em 2011, aos 70 anos ingressou no curso de Mestrado em Tecnologia e Trabalho na Universidade Tecnológica Federal do Paraná.
Agora aos 72 anos, a Iyalorisá do Templo Religioso Ilê Asé Ojogbo Ogum, defenderá sua dissertação de mestrado que tem o título: “Templo religioso, natureza e os avanços tecnológicos: os saberes do candomblé na contemporaneidade”, pelo Programa de Pós-Graduação em Tecnologia da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR).
De acordo com a Iyalorisá o objetivo da pesquisa foi o de “analisar o impacto do processo de urbanização e das tecnologias de informação e comunicação, em particular a internet, sobre os terreiros de Candomblé e os saberes constituídos nesses espaços de ritos e conhecimentos tradicionais de matriz africana”, conta.
Em 1979, Dalzira ingressou na militância do Movimento Negro, já em nível nacional, no Grupo de União e Consciência Negra (GRUCON), ainda na época da ditadura militar. Foi neste momento que ela começou a enxergar com mais nitidez a problemática dos negros e o racismo. Contribuiu posteriormente para a criação de várias organizações negras no Paraná, e por isso se tornou ícone na reorganização do Movimento Negro do Estado sendo reconhecida como uma das maiores lideranças negras do Paraná. A Iyá, como carinhosamente é conhecida, foi ainda delegada, representando o Brasil na Conferência Mundial de Combate ao Racismo e a Discriminação, que aconteceu em Durban na África do Sul, em 2001.
O evento acadêmico acontecerá no dia 23 de setembro, às 14h30, na UTFPR, Avenida Sete de Setembro, 3.165, em Curitiba, Sala C, 301.
Contato com a Mestranda Iyagunã Dalzira Maria Aparecida: (41) 3014 8904

— comFernando Antonio e outras 18 pessoas.

Foto: UM EXEMPLO:
Iyalorisá, mulher negra defende Dissertação de Mestrado aos 72 anos de idade.

 
A Iyalorisá Iyagunã Dalzira Maria Aparecida se alfabetizou com 13 anos. Em função da falta de oportunidades educacionais e por questões de trabalho conseguiu concluir o Ensino Fundamental somente aos 33 anos (1974).
 
Em 1990, aos 49 anos voltou a estudar, cursou Educação de Jovens e Adultos (EJA) e concluiu o Ensino Médio. Em 2003, aos 63 anos, foi aprovada no Curso de Relações Internacionais e concluiu a graduação aos 68 anos tendo pesquisado a influência africana em Cuba, Brasil e Argentina. Em 2011, aos 70 anos ingressou no curso de Mestrado em Tecnologia  e Trabalho na Universidade Tecnológica Federal do Paraná.
 
Agora aos 72 anos, a Iyalorisá do Templo Religioso Ilê Asé Ojogbo Ogum, defenderá sua dissertação de mestrado que tem o título: “Templo religioso, natureza e os avanços tecnológicos: os saberes do candomblé na contemporaneidade”, pelo Programa de Pós-Graduação em Tecnologia da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR).

De acordo com a Iyalorisá o objetivo da pesquisa foi o de “analisar o impacto do processo de urbanização e das tecnologias de informação e comunicação, em particular a internet, sobre os terreiros de Candomblé e os saberes constituídos nesses espaços de ritos e conhecimentos tradicionais de matriz africana”, conta.

Em 1979, Dalzira ingressou na militância do Movimento Negro, já em nível nacional, no Grupo de União e Consciência Negra (GRUCON), ainda na época da ditadura militar. Foi neste momento que ela começou a enxergar com mais nitidez a problemática dos negros e o racismo. Contribuiu posteriormente para a criação de várias organizações negras no Paraná, e por isso se tornou ícone na reorganização do Movimento Negro do Estado sendo reconhecida como uma das maiores lideranças negras do Paraná. A Iyá, como carinhosamente é conhecida, foi ainda delegada, representando o Brasil na Conferência Mundial de Combate ao Racismo e a Discriminação, que aconteceu em Durban na África do Sul, em 2001.
 
O evento acadêmico acontecerá no dia 23 de setembro, às 14h30, na UTFPR, Avenida Sete de Setembro, 3.165, em Curitiba, Sala C, 301.

Contato com a Mestranda Iyagunã Dalzira Maria Aparecida: (41) 3014 8904

Compartilhar

logo Revista Conexão Afro

CONEXÃO AFROconexaoafro@gmail.com
Falar com Mãe
Carmen de OxaláCONEXÃO AFRO
  (51) 81810404 / (51)  30556655

Histórias de ebomi Cidália Soledade

In Comunidade Tradicional de Terreiros on Abril 13, 2014 at 9:40 am
logo Revista Conexão Afro  13 abril de março –Guaíba- RS –Brasil
REVISTA CONEXÃO AFRO
Hoje tem lançamento de livro sobre ebomi Cidália. Foto: Rejane Carneiro/Ag.A TARDE/ 19.10.2007Hoje tem lançamento de livro sobre ebomi Cidália. Foto: Rejane Carneiro/Ag.A TARDE/

Hoje, às 18 horas, no Terreiro Casa Branca, será lançado o livro Ebomi Cidália: a enciclopédia do candomblé – 80 anos. A publicação é assinada por mim e pelo historiador, designer, músico e religoiso do candomblé Jaime Sodré.  Ela é resultado de uma entrevista coletiva com a sacerdotisa feita por um grupo de jornalistas formado, além de mim, por Marlon Marcos, Meire Oliveira e Juliana Dias.

Conheci ebomi Cidália em 2006, quando o professor Jaime Sodré disse que tinha um presente de final de ano para mim.  A surpresa era me apresentar a ela, sacerdotisa do Ilê Iyá Omi Axé Iyamassê, mais conhecido como Gantois, consagrada ao orixá Iroko, aos 7 anos por Mãe Menininha.

Na primeira conversa já entendi porque a apresentação foi descrita como presente. Ebomi Cidália foi uma das pessoas mais fantásticas que já conheci até hoje.

Maestria
Até a sua passagem para o orum (o mundo sobrenatural no candomblé)  em 20 de março de 2012, mantive o hábito de visitá-la não apenas para entrevistas. Conversar com ela era aprender sobre cultura e religiosidade afro-brasileira e também sobre a vida.

Ebomi Cidália, leitora assídua de A TARDE,  foi uma mestra da oralidade. Aliás, usando um conceito explicado pelo doutor em antropologia da Ufba Ordep Serra, ela fazia “oralitura”, pois suas narrativas conseguiam hipnotizar as mais variadas plateias, além de vir recheadas de poesia, música e outros recursos.

“Por isso no livro buscamos manter uma transcrição o mais próxima possível de como era conversar com ela em um amostra do que foi o encontro realizado, além dos jornalistas, com vários dos seus amigos no Terreiro Oxumaré”, aponta Jaime Sodré.

Matéria publicada na edição de hoje do Caderno 2+ do jornal A TARDE/ Reprodução   Matéria publicada na edição de hoje do Caderno 2+ do jornal A TARDE/ Reprodução

Selo
O livro foi viabilizado pela Secretaria Estadual de Promoção da Igualdade Racial (Sepromi). De acordo com Sodré, ele é um pedido da criação de  um selo para a memória das comunidades afro-brasileiras, proposta que foi entendida e executada como possível pelo ex-secretário da pasta, Elias Sampaio.

“Tentamos de vários formas fazer a publicação via editais e não conseguimos. Portanto, recorri ao titular da Sepromi que, dentro das suas possiblidades, teve a sensibilidade para entender a importância de um projeto como esse”.

O projeto também contou com o apoio da designer Lúcia Oliveira, da arte-educadora Mônica Silva e da Empresa Gráfica da Bahia (Egba).

No lançamento é necessário o uso do traje branco numa reverência a Oxalá, que, como dizia ebomi Cidália, é cultuado de um  modo muito próprio no Brasil. Segundo ela, o jeito merece respeito, afinal resistiu a obstáculos iniciados com uma travessia do Atlântico.

Cleidiana Ramos

logo Revista Conexão Afro

CONEXÃO AFROconexaoafro@gmail.com
Falar com Mãe
Carmen de OxaláCONEXÃO AFRO
  (51) 81810404 / (51)  30556655

 

Comunidades Tradicionais definem datas para os encontros regionais

In Comunidade Tradicional de Terreiros on Abril 11, 2014 at 11:42 pm
logo Revista Conexão Afro  11 abril de março –Guaíba- RS –Brasil
REVISTA CONEXÃO AFRO

Por Mônica Aguiar para o Portal Áfricas

Nas reuniões, será possível amplificar ouvir os representantes de cada região.
 
Em reunião extraordinária nesta sexta-feira (04/04), em Brasília, a Comissão Nacional de Povos e 
Comunidades Tradicionais (CNPCT) redefiniu as datas dos encontros regionais e do nacional, além de discutir a organização e logística dos encontros. As novas datas, por região, são: Norte – Manaus – 19 a 22 de maio; Norte – Belém – 2 a 5 de junho; Centro-Oeste – Cuiabá – 21 a 24 de julho; Sul – Curitiba – 25 a  28 de agosto; Sudeste – Espírito Santo (sem cidade definida) – 15 a 18 setembro. O encontro nacional da  CNPCT acontecerá em Brasília de 24 a 27 de novembro.
Segundo o secretário de Extrativismo e Desenvolvimento Rural Sustentável do Ministério do Meio Ambiente (MMA), Paulo Guilherme Cabral, os encontros regionais são importantes para amplificar o trabalho da comissão e ouvir os representantes dos povos e comunidades tradicionais de cada região.
BALANÇO

 

Já no encontro nacional, será feita uma revisão do atual Decreto 6040, que instituiu a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais, em 2007. “É o momento de fazer um balanço das diversas políticas publicas criadas de lá pra cá”, afirmou Cabral.

 

Participaram da reunião em Brasília dirigentes dos ministérios do Meio Ambiente, do Desenvolvimento Social e Combate à Fome e do Desenvolvimento Agrário, da Secretaria de Patrimônio da União, do Ministério Público Federal e da Secretaria Geral da Presidência da República.
Da sociedade civil, estavam presentes representantes da Associação do Movimento Interestadual das Quebradeiras de Coco de Babaçu , Comunidade Pantaneira, Rede Kôdya / AC Bantu (terreiros, quilombos, marisqueiras e pescadores artesanais, irmandades religiosas negras e extrativistas do estado da Bahia), Movimento das Catadoras de Mangaba, Conselho Nacional da Juventude / Raízes da Tradição e Associação Pomerana de Pancas.
 
Fonte e texto : Letícia Verde em Ministério do Meio Ambiente

logo Revista Conexão Afro

CONEXÃO AFROconexaoafro@gmail.com
Falar com Mãe
Carmen de OxaláCONEXÃO AFRO
  (51) 81810404 / (51)  30556655

Editar esta entrada.

Pai André de Xangô palestrou sobre Saúde da População Negra na Universidade ANHANGUERA

In Comunidade Tradicional de Terreiros on Abril 8, 2014 at 8:42 am

logo Revista Conexão Afro
  8 de abril –
Guaíba- RS –Brasil
REVISTA CONEXÃO AFRO

Uns o conhecem como Pai André de Xangô outros como militante e ativista do movimento negro gaúcho, André Brisolara, o que importa, que a soma de suas  experiências  de vida  relacionadas a religião de matriz africana e o combate as inequidades  étnico afro culturais, proporcionaram ao Babalorixá, reconhecimento acumulo

Hoje a manhã foi riquíssima , com a palestra do militante negro,  conselheiro do COMDESCCON Andre Brisolara Brisolara . 
" A Saúde da população Negra & as  relações étnico-raciais. "

Com esses, diferências foi solicitado pela Universidade  Anhanguera para discorrer sobre o tema Saúde da População Negra.

Foto

A Revista Conexão Afro divulga e apoia  grande iniciativa ‘’Isso aí, Pai André é imprescindível que a história seja contada! Transmitida e divulgada! Parabéns!

logo Revista Conexão Afro

CONEXÃO AFROconexaoafro@gmail.com
Falar com Mãe
Carmen de OxaláCONEXÃO AFRO
  (51) 81810404 / (51)  30556655

Oficina Vem Dançar ! Vem Dançar Com Mahira ! Na Assobecaty

In Comunidade Tradicional de Terreiros on Abril 7, 2014 at 6:39 pm
logo Revista Conexão Afro  07  abril de março –Guaíba- RS –Brasil
REVISTA CONEXÃO AFRO

 

.Estão abertas as inscrições para a oficina de dança com Mahiara. sem distinção de cor e idade ou religião.

Foto: Sábado oficina de dança Afro na ASSOBECATY. VEM DANÇAR COM MAHIRA ! 
Oficina Vem Dançar ! Vem Fançar Com Mahira ! Na Assobecaty


A parceria entre a bailarina e a casa Tradicional ASSOBECATY, oferecerão oferecendo  o aulão. Maiores informaçãoe na sede da Assobecaty:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

logo Revista Conexão Afro

CONEXÃO AFROconexaoafro@gmail.com
Falar com Mãe
Carmen de OxaláCONEXÃO AFRO
  (51) 81810404 / (51)  30556655

Semana foi recheada de reuniões na ASSOBECATY

In Assobecaty 80 anos de resistência e 26 de identidade Jurídica on Abril 7, 2014 at 1:36 am
logo Revista Conexão Afro  07 abril de março –Guaíba- RS –Brasil
REVISTA CONEXÃO AFRO

Semana foi recheada de reuniões na ASSOBECATY, segunda- feira (7) aconteceu uma reunião com minha filha Mãe Fabiana de Ossanhã e netas, Ana de Oxum e Rafaela de Oxum, para fazermos a revisão da reforma estatutária da Associação Beneficente Nossa Senhora da Conceição do Ilê de Oxum.

Foto: Semana foi recheada de reuniões na ASSOBECATY,  segunda reunião com  minha filha Mãe Fabiana de Ossanhã e netas, Ana de Oxum e Rafaela de Oxum,  revisamos o calendário festivo do  Ilê de Oxum.

É preciso organizar para avançar-mos, sempre juntos !

Foto: É preciso organizar para avançar-mos, sempre juntos !

MEMÓRIA: Hoje completam 46 anos sem Martin Luther King Jr.

In Comunidade Tradicional de Terreiros on Abril 6, 2014 at 12:02 pm
logo Revista Conexão Afro  06 abril de março –Guaíba- RS –Brasil
REVISTA CONEXÃO AFRO

No dia 4 de Abril de 1968, o ativista e pastor Martin Luther King Jr.  – que chegou a receber um Nobel da Paz pela sua campanha sustentada na não-violência e amor ao próximo, foi assassinado em Memphis, Tennessee. Odiado por muitos segregacionistas do sul, foi atingido mortalmente por um sniper na varanda de um hotel, às 18h01, momentos antes de uma marcha.

martin_luther_king

O autor do crime? James Earl Ray. Andou fugido por mais de dois meses antes de ser apanhado – e chegou a passar dez dias em Portugal durante esse período. Quando estava em Londres, prestes a partir para Bruxelas, foi capturado pela polícia.

Um dos discursos que mudou o mundo
No dia 28 de Agosto de 1963, em Washington D.C., Luther King discursou perante uma multidão de mais de 200 mil pessoas. As palavras emocionaram o mundo. Proferido por um dos mais importantes líderes do movimento dos direitos civis dos negros nos Estados Unidos entre a década de 50 e 60, o discurso teve um impacto sem igual.
Curiosamente, o texto demorou uma semana a ser feito, e até à véspera de ser proferido não continha qualquer referência à palavra “sonho”. Mas aquela era uma palavra que não saia da cabeça de Martin Luther King. Deveria terminar assim o seu discurso? Quando colocou esta questão a dois dos seus assessores, um deles aconselhou-o a não o fazer. Era demasiado clichê, terá dito Wyatt Tee Walker, uma vez que já tinha utilizado demasiadas vezes a palavra “sonho” noutros discursos. O outro assessor, Andrew Young, concordou.
Nessa noite, alguém ouviu King repetir aquelas mesmas palavras: “Eu tenho um sonho… Eu tenho um sonho…”. No dia seguinte, na maior manifestação em defesa da igualdade racial, a marcha terminou com o discurso do afro-americano. E a palavra “sonho” estava lá. [Veja o vídeo para recordar o discurso completo]
No final da manifestação, acompanhada em direto pela rádio e televisão, o presidente Kennedy recebeu cada um dos oradores num encontro na Casa Branca. “Eu tenho um sonho”, terá dito a King. Estava feito: tal como o presidente dos Estados Unidos, milhões de pessoas um pouco por todo o mundo também não esqueceram aquelas palavras.

logo Revista Conexão Afro

CONEXÃO AFROconexaoafro@gmail.com
Falar com Mãe
Carmen de OxaláCONEXÃO AFRO
  (51) 81810404 / (51)  30556655

Hoje é Dia do Oxalá, Dia do Projeto Ajeun Ilerá, dia de entrega de Alimentos, dia da ASSOBECATY, trabalhar para a transformação social

In Comunidade Tradicional de Terreiros on Abril 6, 2014 at 11:43 am
logo Revista Conexão Afro  06  de abril  –Guaíba- RS –Brasil
REVISTA CONEXÃO AFRO

 

P3150001

Associação Beneficente Cultural Africana Templo de Yemanjá – ASSOBECATY, Ilê de Mãe Carmen de Oxalá , mais uma vez abre as portas para a execução do Projeto Ajeun Ilerá, atualmente atende no bairro Jardim Santa Rita 800 famílias cadastradas,

 

logo Revista Conexão Afro

CONEXÃO AFROconexaoafro@gmail.com
Falar com Mãe
Carmen de OxaláCONEXÃO AFRO
  (51) 81810404 / (51)  30556655

COPENE 2014–VII CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISADORES (AS) NEGROS (AS )

In Comunidade Tradicional de Terreiros on Abril 3, 2014 at 10:31 pm

 

logo Revista Conexão Afro  07 abril de março –Guaíba- RS –Brasil
REVISTA CONEXÃO AFRO

Ações Afirmativas: Cidadania e Relações Étnico-Raciais

O VIII Congresso Brasileiro de Pesquisadores/as Negros/as acontecerá em 2014 nas dependências da Universidade Federal do Pará (UFPA) entre os dias 29/07 e 02/08/2014. O COPENE tem como principal intenção apresentar e discutir os processos de produção e difusão de conhecimentos intrinsecamente ligados às lutas históricas empreendidas pelas populações negras nas Diásporas Africanas, emanadas nos espaços de religiosidades, nos quilombos, nos movimentos negros organizados, na imprensa, nas artes e na literatura, nas escolas e universidades, nas organizações não-governamentais, nas empresas e nas diversas esferas estatais, que resistem, reivindicam e propõem alternativas políticas e sociais que atendam às necessidades das populações negras, visando a constituição material dos direitos.

Inscrições abertas para apresentação de trabalhos até o dia 10 de março de 2014. Informações podem ser obtidas clicando no link abaixo:

http://www.para2014.copene.org/

logo Revista Conexão Afro

CONEXÃO AFROconexaoafro@gmail.com
Falar com Mãe
Carmen de OxaláCONEXÃO AFRO
  (51) 81810404 / (51)  30556655

Saí, a logomarca do Telecentro e Biblioteca Moab Caldas

In Comunidade Tradicional de Terreiros on Abril 2, 2014 at 11:19 pm
logo Revista Conexão Afro  02 abril de março –Guaíba- RS –Brasil
REVISTA CONEXÃO AFROv

Foto: Saí, o logo! Em clima de festa, a comunidade da casa tradicional ASSOBECATY, comemora um ano de funcionamento do telecentro no axé, de presente elaboram o logo do TELECENTRO E BIBLIOTECA MOAB CALDAS. A iniciativa também, faz parte das celebrações dos 80 anos de resistência e 26 anos de identidade jurídica da ASSOBECATY.Saí, o logo! Em clima de festa, a comunidade da casa tradicional ASSOBECATY, comemora um ano de funcionamento do telecentro no axé, de presente elaboram o logo do TELECENTRO E BIBLIOTECA MOAB CALDAS. A iniciativa também, faz parte das celebrações dos 80 anos de resistência e 26 anos de identidade jurídica da ASSOBECATY.

logo Revista Conexão Afro

CONEXÃO AFROconexaoafro@gmail.com
Falar com Mãe
Carmen de OxaláCONEXÃO AFRO
  (51) 81810404 / (51)  30556655