Revista Online Conexao Afro

HOMENAGEM DAS BAIANAS DE ACARAJÉ PARA AS BAIANAS DO JUDICIÁRIO.

In Conexão Afro, negritude on Janeiro 15, 2012 at 11:30 am

N°o1- 15  de Janeiro – Guaíba- RS –Brasil

REVISTA CONEXÃO AFRO

QUANDO: 20 de Janeiro, HORAS: 18 h

LOCAL: MEMORIAL DAS BAIANAS

ENDEREÇO: BELVEDERE DA SÉ, PRAÇA DA SÉ S/N, CENTRO

CONTATO: (71) 3322-9674 / 3487-1342

E-MAIL: memorial.baianas@gmail.com

A luta contra a discriminação racial não tem sido maior que a contribuição que damos ao desenvolvimento do Brasil, a exemplo do que assistimos hoje no Tribunal de Justiça da Bahia e no Conselho Nacional de Justiça – CNJ, quando duas mulheres negras baianas questionaram o papel destes órgãos e a inserção da população negra nestes espaços.

Nestes séculos de lutas tivemos avanços, mas nunca tínhamos nos ousados a questionar o judiciário brasileiro. As Campanhas Desembargadora Sim. Porque Não? e a Campanha de inserção de mulheres negras no Supremo Tribunal Federal, nos garantiu a primeira mulher negra Desembargadora na Bahia e a primeira mulher Negra Corregedora Nacional de Justiça, respectivamente em Dezembro 2011 e Setembro de 201O.

É isso que precisamos fazer, sair do discurso que constata para a prática que transforma.

Todos sabem, branco(a)s e negro(a)s que vivemos um Apartheid disfarçado no Brasil, onde a maioria é subserviente a minoria. Temos dois Brasis: um branco que vive as vantagens de 350 anos de escravidão e 123 anos de racismo e outro negro que vive suas desvantagens. Vivemos esta desvantagem, sobretudo na subrepresentação da população negra nas esferas de poder.

Pela primeira vez na história do Brasil vemos posturas cidadãs no judiciário. Enquanto a Desembargadora Luislinda Valois tem sido um baluarte na luta pela inserção da população negra neste espaço, a Ministra, atual Corregedora Dr. Eliana Calmon busca dignidade para a suprema corte que sempre viveu as margens da sociedade, fazendo e desfazendo o que bem quisesse. Alguns dizem que a democracia esta ameaçada quando o Conselho Nacional de Justiça tenta moralizar o judiciário, diferente dos que dizem isso, dizemos que a democracia corre perigo quando tratamos juízes como cidadãos incomuns, como seres superiores a tudo e a todos, ai sim corremos sérios riscos…

Quando a atual Desembargadora Luislinda Valois lutou para ter o seu direito garantido por lei e quando a Corregedora Nacional de Justiça, Eliana Calmon faz aquilo que a lei preconiza e o que o povo espera, a esperança se renova, pois estas posturas nos coloca com a possibilidade real de construir um Brasil para Todos.

A Bahia levou o samba para o Brasil e agora democratiza a justiça para tod@s. Nem só de samba vive @s baian@s, como alguns tentam estigmatizar…

VIVA LUISLINDA VALOIS E ELIANA CALMON. MULHERES NEGRAS CIDADÃS.

Esta é a hora. Esta é nossa vez!!!

Enviar noticias :  REVISTA
CONEXÃO AFRO conexaoafro@gmail.com
Falar com Mãe
Carmen de Oxala :
caracoles
  (51) 81810404 / (51)  30556655

maecarmendeoxala@hotmail.com

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: