Revista Online Conexao Afro

Centenas de pessoas prestigiaram a 1ª Conferência de Mulheres Yás

In Comunidade Tradicional de Terreiros on Outubro 6, 2011 at 10:18 am

N°o1- 6  de outubro-Guaíba- RS –Brasil

REVISTA CONEXÃO AFRO

Esse é o Balneário Alegria , onde está  localizado a Pedra de Xangô e a Gruta de Mãe Oxum na  Praia da Alegria, esse  é  o espaço  onde religiosos vem lutando pelo reconhecimento de  patrimônio Imaterial. Este cenário  abrigou religiosas do estado para:

100_03454° aluja de xango 098

ABERTURA DA  CONFERÊNCIA DE MULHERES YÁS DE TERREIROS TRADICIONAIS

" O sonho se faz à mão e sem permissão." ( Silvio Rodriguez)

 

Durante dois  dias, em Guaíba , reuniram-se  Mulheres Yás de Terreiros Tradicionais com suas filhas de santo. Assistiram painéis de debates, apresentações culturais. 
Participaram  de discussões , trocas  de experiências , principalmente nos trabalhos de grupo, onde indicaram as propostas de diretrizes,  as quais foram objeto de votação no plenária final, cujas  resoluções  foram pauta finais  na   1ª Conferência Estadual de Mulheres Yás de terreiros Tradicionais.

Nos  dias 24 e 25 de setembro, datas  que  ficaram  marcadas na história do Estado. O evento ocorreu  na   Praia da Alegria, possui lugares que fascinam os visitantes,por sua beleza e encantos natural. O cenário  é  de contemplação, e  de  tamanha beleza,  justifica   a  digna escolha para o registro oficial da 1ª Conferência Estadual de Mulheres Yás de Terreiros Tradicionais e o 4º Alujá na Pedra de Xangô. Por essas razões temos o compromisso de partilhar a memória visual.

100_0387100_0388
As três edições de conferência estadual de mulheres no estado do Rio Grande do Sul, existia uma laguna, não falavam das necessidades de politicas especificas para as mulheres mães de santo  que comandam casas de tradição. Este ano o relatório final  da 4ª Conferência, vai constar  o protagonismos da 1ª Conferência de Mulheres Yás de Casas Tradicionais, para essa ação foi constituído em GT  para organizar um  conjunto de casas chamar a conferência, para ser discutido temas de interesses desta comunidade para serem preenchidas as lacunas. Provocando uma intensa movimentação e muita celebração. De acordo com a ficha de  credenciamento, centenas de pessoas participaram do evento.
 4° aluja de xango 0144° aluja de xango 015

Abertura Mística: Rompe o silêncio com toque de atabaques e cânticos sagrados para os orixás, sob a responsabilidade do Alabe Antônio Carlos de Xangô, mesmo ele tendo reconhecimento é bom reafirmar que Alabê Antônio Carlos é de comunidade tradicional, onde os seus pais biológicos, mãe e Pai e os 30 irmão todos foram tamboreiros. Hoje ele é requisitado no Brasil, assim como em paises que possuem casas que tem as nações do batuque do sul, como autoridade legitima do tambor. Foi o máximo que as mulheres de terreiros se autorizaram a tê-lo para abrir a conferência.

SPM participou da Conferência Temática de Yás

Composição da circularidade –

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Senhor Henrique Tavares , Prefeito do Municipio de Guaíba; Senhora Marcia Santana, Secretária Estadual de Políticas para as Mulheres; Senhora Cláudia Mara Borges , Secretária Municipal de Turismo e Cultura ; Senhora Jussara Brito, Conselho Municipal dos Direitos da Mulher; Senhora Marina Toledo Presidente do Banco de Alimentos de Guaíba; Senhora Geni Costa Leite, Representando as Yás do Municipio de Guaíba;  Senhora Valkiria de Oxum Olobá- de São Leopoldo , Representando as Yás do Rio Grande d o Sul;  Senhora Angelica Mirinhã, Representando a CMP- central de Movimentos Populares ; Senhora Carmen Lucia Silva de Oliveira- Representando ao Movimento 13 de maio Abolição Não Conclusa para as Mulheres Negras;

4° aluja de xango 0174° aluja de xango 018

Painel: O resgate da História das religiões de Matrizes Africanas.

Painelistas: Historiadora Samanta

4° aluja de xango 0124° aluja de xango 052

Painel 2 – Como Romper com o Preconceito

Painelistas: Mãe Rose   – Alvorada

4° aluja de xango 0474° aluja de xango 0394° aluja de xango 044

12h – Almoço AJEUM

100_03604° aluja de xango 139

15h30 – 17h –

Painel: Os Rituais e o Meio Ambiente.

Painelistas Mãe Élida – Associação Cultural do Povo Bantu.

Painel: A Sustentabilidade dos Terreiros tradicionais 

Painelistas:   Mãe Carmem – ASSOBECATY

Debate

DSC024244° aluja de xango 068

No final da tarde o  terreiro Inzo Muzambu Nkisi Kaia dirigido por Mãe Geni de Iemanjá( KAIA),  realizou um Toque aos Caboclos  da Umbanda.

DSC02468DSC02469

A atividade Cultural, ficou com o Grupo de Capoeira Guarda Negra, que finalizaram ás atividades  do dia 24 de setembro.

4° aluja de xango 0924° aluja de xango 093

A Secretária de Turismo E Cultura preparou uma surpresa com efeito visual, quando anoiteceu, todos  ficaram encantados  com a  iluminação da Pedra de Xangô. Convenhamos, ficou maravilhoso cujo  visual  destaca a beleza exuberante da Pedra . Lugar  que por si só , já  fascina os visitantes,  pelos seus  encantos naturais.Apelo as questões  das Comunidades tradicionais de Terreiros.

100_0339100_0340

A noite, aos  pé da Pedra de Xangô,  estão as  guerreiras da Assobecaty, elas  trabalharam para  garantir a comunicação, alimento,cerimonial, recepção, som e o nosso sagrado. Essas  mulheres são uma pequena parte do movimento 13 de maio Abolição Não Conclusa para as Mulheres Negras, são mulheres que lutam no cotidiano para romper com as estruturas machistas e racistas.

 

DIA 25  BRILHA O SOL  NA PRAIA DA ALEGRIA,  A MAGESTOSA  PEDRA DE XANGÔ A REVOADA DE POMBOS : Aunciam, novos DSC02432DSC02435DSC02431

Este é o anuncio de novos tempos, tempos de esperanças , onde muito em breve teremos  o inventário e conseqüentemente o tombamento da Pedra de Xangô. Da mesma forma, que  chegou o momento de colocar as necessidades e reivindicações do feminino negro do axé , com uma postura firme de exigir  políticas públicas, para as primeiras mulheres a trabalhar e produzir riquezas neste pais. Para isso,  usamos o adágio , as primeiras serão sempre as últimas, as evidências apontam assim , por esses motivos , construímos a nossa contribuição para os debates desta Conferência.

É o Manual para fazer a dferença para sempre, para Mulheres  Yás,  elaborado por mulheres que dirigem casas de axé  do estado do Rio Grande do Sul, com o protagonismo do Movimento 13 de Maio Abolição Não Conclusa para as Mulheres Negras, através da iniciativa da casa Tradicional ASSOBECATY-  Associação Beneficente Cultural Africana Templo de Yemanjá e CMP-Central dos Movimentos Populares, onde vem aprofundando as linhas de ação que consideram estratégicas, para a promoção da igualdade de gênero. As mulheres deste movimento tem pretenção de buscar o “ poder” , isto é a devida  reparação , historicamente negada, às mulheres negras, as mulheres  de comunidade tradicionais de terreiros de fato, sim aquelas que vivem e enfrentam as dificuldades dentro do Ilê , sem fugir de sua missão e trabalhando para a sustentabilidade para  deixar uma religião melhor para as próxima gerações. 

 

9h 12h – Plenária Final
A roda de conversa  defesa  e  aprovação das propostas .
100_0351100_0359
Nesse momento foi lembrado, se os participantes do municipio hoje discutem

100_0349100_0358

Apresentação das proposta Mãe Carmen de Oxalá e Mãe Geni de Iemanjá (KAIA)

4° aluja de xango 1334° aluja de xango 135

Apresentação das propostas Mãe Bere de Oxum    e       Mãe NIlza

100_0352

100_0347100_0350

Para a realização deste evento, não  foi suficiente ter a ideia, teve que ter a articulação. Foi  realizado convites para reuniões de formação de Grupo de Trabalho  pró conferência. Diante desta perspectiva  esta Conferência de Yás entrou para o  histórico das políticas públicas. 

 

Mesmo sendo uma conferência de Yás, foi muito bem vindo apoio masculino, o  Antônio Carlos de Xango, foi o que representou o apoio masculino, fazendo o ritual de cânticos dos axé, de  fechamento da 1ª Conferência  Estadual de Mulheres Yás de Terreiros Tradicionais.

4° aluja de xango 140

Alabê Antônio Carlos de Xango, tira os axés que sinalizam o fechamento da 1ª Conferência  Estadual de Mulheres Yás de Terreiros Tradicionais.

DSC02444100_0378

AJEUM

100_0383

O cuidado com as crianças é que vai garantir  o futuro das nossas tradições.

REALIZAÇÃO : CMP – Movimento 13 de maio abolição não conclusa para as mulheres negras, ASSOBECATY- Associação Beneficente Cultural Africana Templo de Yemanjá, Associação Cultural Povo Bantu – RS, AAFOT- Associação Amigos da Festa de Oxum de Tapes, CMP- Central de Movimentos Populares, Revista Conexão Afro, Sindicato dos Servidores Públicos da CUT/RS.

APOIO: SPM- Secretaria de Politicas Públicas para Mulheres – RS, Prefeitura Municipal de Guaíba – RS, SEDUC-Secretaria de Estado da Educação – RS, SEDAC- Secretaria de Estado da Cultura – RS, SMPM – Secretaria Municipal de Políticas para as Mulheres – São Leopoldo, SEPPIR- Secretaria Especial de Politicas de Promoção de Igualdade Racial – PR, SDH- Secretaria Especial de Direitos Humanos – PR, COMDIM – Conselho Municipal dos Direitos da Mulher e Banco de Alimentos  – Guaíba.

image

4 º ALUJA NA PEDRA DE XANGÔ

 DSC02496DSC02499

Elas testam o som, e  se preparam  para a próxima,  Assobecaty vai realizar a conferência  especifica para a juventude  de terreiros .

100_0391100_0387

Esses valores culturais, criados e desenvolvidos , estão aos poucos desaparecendo, mesmo porque ,a forma de vida, também nas zonas urbana, vai rapidamente se modificando. Querer preservá-los em toda sua plenitude é impossível, porque ,não se pode reter o curso da história. O que se pode fazer, e felizmente já começa a se tornar forte uma consciência nesse sentido, é não permitir que desapareça a sua  memória. São esses aspectos que conferem a identidade peculiar do sentimento de pertencimento da Pedra de Xangô. Preservar  esse espaço é a preservar a memória da  raiz africana . Essa é tarefa da atual geração. Nela está empenhada todos os que passaram por este espaço no decorrer de dois dias.

DSC02479DSC025054° aluja de xango 198

Muita expectativa para o inicio da celebração, Mãe Janaina de Iemanjá e Mãe Walkiria de Oxum Olobá : da cidade de São Leopoldo.

DSC02510DSC02512

A Pedra de Xangô e Gruta de Oxum é um lugar de ancestralidade na visão humana é vista  como bem material, um patrimônio material , para as comunidades tradicionais de Terreiros, o mesmo espaço  é entendido como herança de um determinado grupo ou universal, que se perpetua enquanto memória concreta.

Muniz Sodré conceitua muito bem a ancestralidade para o africano” o ancestral será um elemento venerado que deixara uma herança espiritual sobre a terra, contribuindo para a evolução da comunidade ao longo da sua existência. Pelos seus feitos é tomado como referência ou exemplo. Este conceito se alonga à concepção de ações, métodos e instrumentos que proporcionaria vantagens materiais”.

DSC02482DSC02485

Mãe Ida de Oxum, Mãe Carmen de Oxalá, Mãe Nilza, Mãe Geni, de Iemanjá, Mãe Bere de Oxum, Mãe Viviane de Ogum  Mãe Claudia de Iemanjá, Mãe Têtê de Xangô.

DSC02487

Na Foto  Pai Ratinho de Iansã, Mãe Ida de Oxum, Mãe Nilza , Mãe Carmen de Oxalá, Mãe Geni de Iemanja, Pai Roni de Ogum Pai Babi, Mãe Claudia de Iemanjá, Mãe Têtê de Xangô, Cacique Alex.  Pai Jorge de Adganjú,, Mãe Viviane de Ogum.

DSC02488DSC02489

Para as duas atividades que transcorreu em dois dia contou com o pretigio de religiosos e algumas delegações dos  municipios de Guaiba, Porto Alegre, São Leopoldo, Viamão, Esteio, Pelotas, Tapes,  Eldorado, Barra do Ribeiro, Alvorada, Gravatai.

100_0409 100_0406

Desta vez , quando anoiteceu a surpresa ficou por conta  do artista plástico Valdir Gomes, que iluminou toda a volta da Pedra de Xangô. Lembrando que esta festa ao Orixá Xango está sendo realizada a 4 anos graças ao empenho da Comissão Peermanente da Semana Municipal da Umbanda e das religiões de Matriz Africana , que é composta por religiosos, Mãe Geni de Iemanjá, Mãe Ana de Oxum, Mãe Jane de Obá,  Mãe NIlza, Pai Roni de Ogum, Mãe Bere de Oxum , Pai Gerson de Ossanha, Viviane de Ogum, Pai Jorge de Xangô Adganjú, Flora Santa Barbará e Mãe Carmen de Oxalá, que conquistaram  o apoio do poder público e da comunidade que vem aderindo o evento .

Nós de Comunidades Tradicional de Terreiros, que vivenciamos  e acreditamos nos orixás, podemos afirmar, que fomos autorizados a realizar a  vontade dos Orixás, Inkises que foi a realização da 1 ª Conferência de Yás e o Alujá de Xangô. Com essas palavras Mãe Carmen de Oxalá encerrou o evento .

“O dedo sábio da tradição e os olhos injenuos de quem aprende fazem juntos o futuro”  José Clemente Pozonato”

Enviar Noticias :Ano Internacional dos Povos Afrodescendentes 2011; clique aqui para acessar a página oficial do Ano
caracolesconexaoafro@gmail.com
Falar com Mãe Carmen de Oxala : (51) 97010303 e 30556655

maecarmendeoxala@hotmail.com

http://www.onu.org.br/anoafro2011/

CampanhaAno Internacional afrodescendente

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: